Sexta, 30 Outubro 2015 14:52

Cuidados com a exposição dos filhos

 

Se tem uma coisa que é irresistível para mamães e papais, hoje mais do que nunca diante de tantas redes sociais, é mostrar para o mundo toda a gostosura de gente que temos em casa. São fotos sorrindo, brincando, as primeiras experiências e por aí vai. Nada mais normal do que querer exibir nosso motivo maior de orgulho, porém o que pouco tem sido ponderado é que esses pequenos, tão frágeis e ainda incapazes de fazerem suas próprias escolhas, estão tendo sua privacidade invadida.

Há, contudo, um risco no modo como as pessoas estão compartilhando essas experiências. É o chamado oversharenting, a exposição parental exagerada, alerta a pediatra Sarah J. Clark, pesquisadora associada da Universidade de Michigan.

— Se você compartilha uma foto ou vídeo do seu filho pequeno fazendo algo ridículo, por achar engraçadinho, quando a criança tiver seus 11, 12 anos, pode se sentir constrangida. A autoconsciência vem com a idade. O que determina o cyberbullying é o modo de usar o material compartilhado— diz.

Existem riscos ainda maiores trazidos pela superexposição como a segurança da criança que pode ficar comprometida, afirmação que se comprova em fatos como o sequestro de um garoto de 9 anos em Santa Catarina, ocorrido no ano passado, a partir de informações que os pais postavam sobre o garoto no facebook.

Alguns cuidados podem ser tomados para evitar que essa alegria vire um transtorno. Veja alguns:

Evite fotos com uniformes ou materiais que demonstrem o local que a criança sempre frequenta;

Evite expor sobre os hábitos diários da família;

Evite fotos que futuramente possam expor a criança à brincadeiras que a constranja e etc.

São pequenos detalhes, porém um grande gesto de cuidado e respeito.

 

Se tem uma coisa que é irresistível para mamães e papais, hoje mais do que nunca diante de tantas redes sociais, é mostrar para o mundo toda a gostosura de gente que temos em casa. São fotos sorrindo, brincando, as primeiras experiências e por aí vai. Nada mais normal do que querer exibir nosso motivo maior de orgulho, porém o que pouco tem sido ponderado é que esses pequenos, tão frágeis e ainda incapazes de fazerem suas próprias escolhas, estão tendo sua privacidade invadida.

Há, contudo, um risco no modo como as pessoas estão compartilhando essas experiências. É o chamado oversharenting, a exposição parental exagerada, alerta a pediatra Sarah J. Clark, pesquisadora associada da Universidade de Michigan.

— Se você compartilha uma foto ou vídeo do seu filho pequeno fazendo algo ridículo, por achar engraçadinho, quando a criança tiver seus 11, 12 anos, pode se sentir constrangida. A autoconsciência vem com a idade. O que determina o cyberbullying é o modo de usar o material compartilhado— diz.

Existem riscos ainda maiores trazidos pela superexposição como a segurança da criança que pode ficar comprometida, afirmação que se comprova em fatos como o sequestro de um garoto de 9 anos em Santa Catarina, ocorrido no ano passado, a partir de informações que os pais postavam sobre o garoto no facebook.

Alguns cuidados podem ser tomados para evitar que essa alegria vire um transtorno. Veja alguns:

Evite fotos com uniformes ou materiais que demonstrem o local que a criança sempre frequenta;

Evite expor sobre os hábitos diários da família;

Evite fotos que futuramente possam expor a criança à brincadeiras que a constranja e etc.

São pequenos detalhes, porém um grande gesto de cuidado e respeito.